Close

Not a member yet? Register now and get started.

lock and key

Sign in to your account.

Account Login

Forgot your password?

Manifestações Físicas

Quando sofremos da síndrome do pânico e quando temos um ataque de ansiedade existem várias manifestações mentais e físicas que ocorrem no nosso organismo. Neste artigo vamos falar das manifestações físicas. As principais manifestações físicas da síndrome do pânico são as seguintes:

  • Nervosismo e efeitos químicos
  • Efeitos cardiovasculares
  • Efeitos respiratórios
  • Outros efeitos diversos.

Vamos aprofundar cada uma destas manifestações.

Nervosismo e Efeitos Químicos

Quando somos confrontados com o medo o cérebro manda sinais para o sistema nervoso. É o sistema que é responsável para preparar o corpo para a ação e também acalma o corpo e restaura o equilíbrio. Para executar estas duas funções vitais o sistema nervoso autônomo tem duas secções, o sistema nervoso simpático e o sistema nervoso parassimpático.

O sistema nervoso simpático é aquele que nós conhecemos melhor porque é o que prepara o nosso corpo para a ação e aciona o sistema de ataque-fuga, enquanto que o sistema nervoso parassimpático é aquele que adoramos, pois serve para restaurar o nosso sistema e retornar o corpo ao estado normal de relaxamento.

Quando um destes sistemas é ativado, eles estimulam todo o corpo e tem um efeito de tudo ou nada. Isto explica quando um ataque de pânico ocorre, a pessoa tem várias sensações no corpo.

O sistema simpático é responsável por libertar adrenalina das glândulas suprarrenais. Estas glândulas estão localizadas acima dos rins. As glândulas suprarrenais também libertam adrenalina, que funciona como um mensageiro químico para o corpo estar a 100% da sua força (para fugir ou atacar). Quando um ataque de pânico começa não dá para desligar o sistema ataque-fuga tão rapidamente como foi acionado. Existe sempre um período com ansiedade aumentada que continua enquanto estes sinais viajam pelo corpo.

Depois de algum tempo o sistema nervoso parassimpático é acionado. O seu papel é retornar o corpo ao seu funcionamento normal depois do perigo iminente desaparecer. O sistema parassimpático é a parte do sistema nervoso do qual gostamos mais porque nos retorna ao estado de relaxamento e normalidade.

Quando utilizamos técnicas que aprendemos para diminuir a ansiedade, uma técnica de relaxamento, por exemplo, estamos a incentivar o sistema parassimpático a entrar em ação. Uma coisa boa que nos temos de lembrar é que este sistema vai entrar em ação mais tarde ou mais cedo, quer tentemos quer não. O corpo não continua numa espiral de ansiedade cada vez mais intensa. Chega a um ponto em que a ansiedade desliga e o corpo começa a relaxar. Este é um dos vários sistemas de sobrevivência que o corpo humano tem.

Mesmo se você se preocupar e estressar muito para manter o sistema nervoso simpático em funcionamento, ele vai acabar por parar. Com o tempo ele se torna mais adaptado e percebe que na realidade não existe perigo. O nosso corpo é extremamente inteligente – a ciência moderna está sempre a descobrir novos padrões de inteligência que correm pelas células do nosso organismo. O corpo humano tem uma infinidade de maneiras para lidar com um conjunto de funções muito complicadas que nós tomamos por certas. O principal objetivo do nosso organismo é viver bem e de saúde pelo máximo de tempo possível.

Não Está Convencido?

Tente deixar de respirar durante o máximo de tempo possível. Não importa a sua força mental, você nunca consegue vencer a força de vontade do corpo. Isso é positivo – não importa se tenta convencer-se que vai morrer de um ataque de pânico, você não vai morrer por causa disso. O seu corpo vai passar por cima do medo e procurar por um estado de equilíbrio. Nunca ninguém morreu de um ataque de pânico.

Lembre-se disso da próxima vez que tiver sintomas da síndrome do pânico. A sua mente pode prolongar as sensações do ataque de pânico por mais algum tempo, mas eventualmente tudo vai voltar ao estado de equilíbrio. O estado de equilíbrio (homeostase) é o que organismo procura sempre atingir.

A interferência para o seu organismo não é mais do que um exercício para as suas emoções. O nosso corpo não entra em alarme com estes sintomas. Porque deveria de entrar em alarme? O nosso organismo conhece as suas capacidades. É o nosso consciente que entra em pânico, que fica assustado e exagera com medo e terror! Nós temos a tendência de esperar pelo pior e de exagerar as nossas sensações. Um batimento cardíaco acelerado é um ataque cardíaco. Uma mente demasiado ativa é quase esquizofrenia. A culpa é sua? Nem por isso – nós estamos simplesmente a fazer diagnósticos com má informação.

Efeitos Cardiovasculares

A atividade no sistema nervoso simpático aumenta o batimento cardíaco, acelera a circulação em todo o corpo, assegura que todas as áreas importantes para o reflexo ataque-fuga estejam com muito oxigênio. Isto acontece para preparar o corpo para a ação.

Uma coisa fascinante do reflexo ataque-fuga é que o mecanismo manda o sangue de onde ele não é necessário, através da contração dos vasos sanguíneos, para os lugares onde ele é necessário: músculos dos braços, pernas e do tronco.

Por exemplo, no caso de haver um ataque físico o sangue vem da pele, dedos, dedos dos pés e é movido par as áreas ativas com as pernas e os músculos dos braços.

É por isso que muitas pessoas sentem falta de sensibilidade e formigueiros durante um ataque de pânico. Estes sintomas são mal interpretados como um risco para a saúde, como o inicio de um ataque cardíaco. É interessante que as pessoas que sofrem de ataques de ansiedade pensam muitas vezes que têm problemas de coração. Se você tem mesmo essa preocupação então deve consultar o seu médico para verificar tudo. Assim você pode tirar as suas conclusões e esquecer esse medo.

Efeitos Respiratórios

Um dos efeitos mais chocantes do ataque de pânico é a falta de ar e a respiração rápida. É muito comum que durante um ataque de pânico a pessoa sinta um aperto no peito e na garganta. Eu acho que todos têm o medo de perder o controlo da nossa respiração. Da minha experiência pessoal eu sei que a ansiedade aumenta por causa do medo que temos de parar de respirar. O pânico pode causar a uma paragem respiratória? Não.

Os ataques de pânico são associados a um aumento do ritmo respiratório e da quantidade de ar inspirado. Isto tem uma importância óbvia para a defesa do corpo, pois os tecidos precisam de mais oxigênio para se preparar para a ação. O que sentimos quando aumenta a respiração pode incluir a falta de ar, hiperventilação, sensações de falta de ar e mesmo dores e apertos no peito. O problema real é que estas sensações são estranhas para nós e não parecem naturais.

Como tive ataques de pânico muito extremos, eu lembro-me que em muitas ocasiões sentia que não podia confiar no meu corpo para respirar. Por isso eu tinha de respirar conscientemente e dizer a mim próprio para inspirar e expirar. Claro que isso não era o suficiente para as necessidades de oxigênio do meu corpo e por isso esse sentimento aumentava mais – e a ansiedade também. Foi só quando apliquei a técnica que lhe vou explicar mais tarde, que deixei o meu corpo fazer o que ele faz melhor – seguir os instintos biológicos.

Um efeito secundário importante da respiração mais rápida (especialmente quando não existe atividade física) é que a quantidade de sangue que vai para a cabeça diminui. Enquanto que esta diminuição de circulação para o sangue não é perigosa, ela produz uma variedade de sintomas desagradáveis, mas que não fazem mal. Estes incluem tonturas, visão enevoada, confusão, sentimento de irrealidade e suores frios.

Outros Efeitos Físicos dos Ataques de Pânico

Existem outros efeitos produzidos pela ativação do sistema nervoso simpático, nenhuma das quais fazem mal. As pupilas dilatam para deixar entrar mais luz, o que pode resultar em visão turva e em “ver estrelas”, etc. Existe uma diminuição da salivação, resultando numa boca seca.

Existe uma diminuição da atividade no sistema digestivo, que muitas vezes dá náuseas, uma sensação pesada no estômago e mesmo prisão de ventre. Finalmente, quando os vários grupos musculares ficam tensos em preparação para o ataque-fuga, isso pode resultar e várias sensações de tensão, por vezes transformando-se em dores e tremores.

No geral o mecanismo de ataque-fuga ativa todo o metabolismo corporal. Por isso é que as pessoas sentem calores e suores, pois este processo utiliza muita energia e depois a pessoa sente-se cansada e esgotada.

Gostaria de chamar a atenção sobre os mitos da síndrome do pânico porque existem rumores que dizem que um ataque de pânico pode causar a morte, o que é totalmente falso. Estes rumores ainda aumentam mais o medo que as pessoas têm da doença e não ajudam no tratamento da síndrome do pânico.

Para saber mais sobre a síndrome do pânico subscreva à nossa Newsletter para receber dicas para lidar e vencer a síndrome do pânico.

 

64 comentários

  • Tempodira disse:

    Simplesmente uma abordagem explicita e clara do que é o TRANSTORNO. Suas consequências, suas interferências e seu REAL SIGNIFICADO.

    SIMPLESMENTE SINTA-SE PARABENIZADO POR TAL INICIATIVA.

    Gostaria por demais aprender mais sobre as técnicas de combate a esse mal estar.

    • Erica Garcia disse:

      Eu sinto o meu corpo muito quente todos os dias, é mais um calor sufocante e também muita falta de ar, como se me faltasse ar para respirar. Meu coraçao fica acelerado as e mãos suando e uma queimação na cabeça.

  • Mímica disse:

    Espero que seja mesmo verdade o facto de ninguém ter morrido de ataque de pânico. Mas acho que isso não é de todo verdade. Conheço casos de pessoas que morreram… Pode-se sofrer de colapso cardíaco! Conheço casos desses… Eu por acaso sei o que é sofrer de ataque de pânico, já tive muitos e ultimamente eles intensificaram-se. É uma sensação horrível! Eu fico desesperada!

    • Sindrome do Panico disse:

      Os ataques de pânico não provocam a morte apesar de ser essa a sensação que eles dão. Se tiver dúvidas que têm problemas cardiacos deve fazer análises ao coração!

  • Mímica disse:

    Já fiz um electrocardiograma aos 13 anos (actualmente tenho 18, quase 19), pois tinha arritmias todas as manhãs. Não acusou nenhum problema.

    • Luzia de Fátima Coelho Lopes disse:

      Boa tarde! Preciso muito que me ajudem com algumas técnicas para que eu consiga me livrar de alguns sintomas que venho sentindo há uns dois meses. (Se realmente isso for Síndrome do Pânico). Vou relatar aqui resumidamente o que foi a minha vida até agora, pois acho que é de suma importância para vocês decifrarem a minha história. Tenho 51 anos, me casei com dezoito, vim de uma família de classe média baixa. Me separei há hum ano e meio. Vivi como mãe e esposa dedicadíssima, numa cidade do interior de Minas durante 33 anos. Mas, nesse meio tempo foi surgindo a época de minhas filhas se ausentarem definitivamente, por motivo de estudos (Vestibulares nas Federais). Atualmente, Graças ao bom Deus, todas já concluiram o Superior, mas continuaram a morar em cidades distantes de mim. Eu sempre trabalhei dentro do meu lar, além do artesanato para ampliar os recursos financeiros da família. Meu ex marido (Bancário aposentadado) também era dedicado com as filhas em relação aos estudos. Porém, 10 anos antes de se aposentar, dedicou-se totalmente em trabalhar com eventos: Bailes, Shous, etc…
      E, nesse epaço de tempo eu já me encontrava hiper deprimida, trocando de antidepressivos sucessivamente receitados por neurologista e os mesmos me faziam muito mal. Até que me acertei com: Cloridrato de Sertralina 50mg, e Lorazepan de 20mg. E continuo a fazer uso dos mesmos até hoje (Isso já completou 13 anos de tratamento). Mas a vida me pregou uma peça! E descobri depois de muito sofrer que estava sendo traída finaceiramente. Tive que Abrir Mão de todos os Bens que havía-mos conquistado durante anos de trabalho duro. E o pior… Entregar tudo para quitar as dívidas que o ex marido havia contraído fora do orçamento da família. Dívidas que ele contraiu sem participar-me. Referentes aos eventos que fez durante anos sem a minha permissão. Sem contar que estava totalmente abandonada no meu lar, sem a menor atenção do cônjuje. E quando presente era para me humilhar. Diante de tudo tive que partir para a separação. Deixei a minha cidade e vim morar de aluguel em Belo Horizonte sozinha. Estou aqui há oito meses, resgatando meus valores. Fazendo cursos e trabalhando.
      RESUMO: Há dois meses apareu esse sintomas horríveis em mim… Minhas filhas estão brigando para que eu procure um psiquiatra, para que mude a minha medicação. Dizendo ser Síndrome do Pânico. Mas, será que irá adiantar ou piorar mais ainda? POR FAVOR ME AJUDEM! Espero resposta de vocês URGENTE, pois vivo sozinha.

      • Rodrigo Luiz disse:

        Fiz uso de cocaina e comecei a me sentir muito mal!! Depois de ter passado por varios clinicos e cardiologista acabei de acreditar que era uma crise de ansidade!!! Fiquei 2 meses sentindo fraqueza dores no peito falta de ar e um nó na garganta. Voltei ao médico e ele me receitou um alprazolam e fluoxetina 1 por dia senti algumas melhoras. Faz 20 dias de tratamento mas estou com uma visão muito ruim e tonturas. O clinico me disse que isso é mormal depois de alguns dias passa!! Não consigo fazer prática de nenhuma atividade fisica por causa dessa tontura, o que fazer? É esperar mesmo ou devo procurar um psiquiatra?

  • Carlos Henrique disse:

    Tenho 34 anos, sofro deste mal desde os 22 anos, nunca procurei ajuda especializada, a família me trata com indiferença. No dia 17-04-10, tive uma crise brava e fui ao PS de Nazaré Paulista, minha pressão arterial subiu muito 18×11, batimento a cerca de 180 por minuto. O médico demorou 30 para me atender, somente pediu um eleto antes, ao chegar cruzou os braços me disse que era frescura, que eu não tinha nada, foi embora, houve confusão para meu atendimento. Saí dali fadado como mal educado, me auto mediquei lá dentro com 2 Captopril e 2 Diazepam. O QUE SERÁ QUE PODERIA ACONTECER COMIGO PORQUE MINHA PRESSÃO SOBE TANTO?

  • Luciana Perinelli de Morais disse:

    Eu sofro do pânico á uns tres meses mais ou menos, tenho medo de morrer nos ataques, e ele só acontece à noite, quando deito para dormir. Tenho medo do sono não vir e ficar noite a dentro acordada ai o pânico começa só pelo fato de eu deitar e esperar o sono. Conclusão, ele não aparece e fico desesperada. Gostaria de saber como devo controlar esse medo de não poder dormir mais.

  • Marcelo Cancio disse:

    Tenho sintomas parecidos com os da Luciana… deito pra dormir e tenho medo de morrer durate o sono. Ai não consigo dormir quando adormeço, tenho a sensação de estar morrendo, não tenho disposição para trabalhar. Tenho muito medo de chegar a noite… alguem me ajude por favor.

  • Bruno disse:

    Eu ja faço o tratamento a 5 anos e parei de tomar o remedio agora só não estou bem, fico o dia todo sentino uma coisa que nem eu sei explicar.
    É como se fosse cai ai duma vez você disperta uma sensaçao muito ruim, parece os reflexos é muito dificil de explica so quem passa pra saber.
    Algum de vocês sabe como fazer isso parar? Porque do resto estou bem so que isso fica me incomodando o dia todo. Ai tem hora que fico pensando que vou passar mal.

  • Fabiana disse:

    Tenho 30 anos estava com minha filha no consultorio para ela mais comecei a passar mal, então fui ao 24 horas mais próximo dali. Senti minha pressão baixa e disse para o clinico, que foi mal educado do começo até o fim. Pois estava ali sem saber o que estava acontecendo comigo, ainda por cima estava com minha filha de 10 anos.

    Ele mandou colocar um soro e um remédio que não disse o nome, depois que a enfermeira colocou senti meu braço enxar pedi para que fosse retirado, o médico veio ao quarto e disse simplismente procure um pisquiatra você está precisando.

    Entrei em conclusão estou enlouquecendo… quem vai cuidar dos meus filhos! No outro dia quando precisei ser internada a médica explicou à minha mãe e irmã que eu estava com o sindrome do panico. Me perguntei como isso pode acontecer comigo pois não tenho medo de nada!

    Fiz exames de sangue mais está tudo ok, menos mal! Fui ao piscologo ele disse para que eu procurasse o pisquiatra pois só eles podem passar medicamento adequado. Primeiro fui ao médio “Deus” estou frequentando a igreja e mim sinto bem quando canto, quando sinto que estou ficando nervosa começo a respirar e peço a Deus todo poderoso que me ajude e da certo.

    Irei ao pisquiatra mais vou dizer que não quero ficar dependente de médicamentos pois eles nos deixa invulneralvel para dirigir. Gostaria de entender o porque desse problema está aparecendo.

  • Jenifer disse:

    Oi, sofro muito de sindrome do panico, de repente fiquei isolada de toda a minha familia e amigos, e não gosto de ficar sózinha,. Tenho medo de dormir porque tenho medo de morrer no meio da noite. Mais queria fazer uma pergunta que me deixa muito sismada, eu tenho muitas dores no peito do lado do coração… isto é normal?

  • Ricardo Areias disse:

    Meu nome e Ricardo, tenho 32 anos de idade estou sofrendo muito com essa sindrome do panico, ainda para piorar mais ainda sou paraplegico, como posso sair dessa agonia que é a sindrome do panico.

  • Ana disse:

    Oi, foi o melhor site que encontrei sobre este assunto. Gostaria de passar a vocês que a síndrome do pânico também acaba abaixando a imunidade, pois fico doente facil com resfriados. Agora mesmo estou tendo faz 30 dias temperatura corporal de 34 graus, onde sinto muito frio, e isso piora todo estado emocional e ai desencadeia tudo. Até desinteria tenho.
    Como é dificil, pois estou muma fase boa de minha vida. Tomo apraz 0.5mg e agora a médica me passou o assert, o qual esta piorando os sintomas.

    Quero que saibam que sou personal e já pensou o sofrimento, pois preciso do meu fisico saudável. Mas saibam que a vez que mais melhorei, foi quando participei de um grupo de oração e fiquei dois anos sem ter crise. Por isso procuram Jesus e a Eucaristia.

    Abraços, Ana

  • Vanessa disse:

    Olá a todos! Eu também sofro de sindrome de pânico faz 3 anos. Comecei tendo esses ataques depois que tive a minha filha… sinto que vou morrer o dia todo… tenho medo de andar de bus… de ir no cinema… de fazer shoping… minha vida é uma tristeza! Sempre que tenho crises de pânico vou no médico com medo de me tar dando um enfarte! Tenho medo de tar sozinha… meu marido me chama de louca! Por vezes penso por fim a minha vida mas logo penso nas pessoas que me amam!

  • Ju disse:

    Olá a todos. Eu tenho síndrome do pânico faz 3 meses.

    Tudo começou quando eu passei mal em uma aula de pré-vestibular e tive que ir para o banheiro vomitar. Acho que era apenas uma virose. Porém, eu fiquei com medo de ir para a aula denovo… cada dia era uma luta para não desistir e ir para casa.

    No começo, achei que era um medo normal. Afinal, ninguém quer vomitar em uma aula, na frente de todo mundo. Como eu sofria de enjoos durante e antes da aula, resolvi ir em uma gastroenterologista. Fiz uma bateria completa de exames de sangue, urina e endoscopia gastrointestinal. Apenas acharam uma gastrite simples. Nada que um Omeprazol não curaria.

    Fiquei tomando o remédio duas semanas, sem melhoras. Voltei à medica. Ela falou que eu deveria ir à uma psiquiatra, pois o meu problema não era físico. Eu pensei que não deveria ir, afinal, não estava louco. Mas, depois de duas semanas, quando entrei no onibus, que faz parte da minha rotina, começei a ter medo de passar mal ali mesmo. Um medo que eu não conseguia controlar. Ficava contando os segundos para chegar na minha parada. Nâo consegui vencer e tive que descer antes, seguindo o resto do caminho para casa a pé.

    Foi nessa hora que eu desisti de lutar e procurei uma psiquiatra. Pelos sintomas, ela diagnosticou sindrome do pânico, e falou que este ‘medo’ era nada mais que uma crise grave de pânico. Estou tomando Paroxetina fazem seis dias. Espero que o tratamento funcione logo.

    Estou perdendo muitas coisas na vida por causa do pânico.

  • Roberto disse:

    Oi gente bom dia. Eu sofro de sindrome do panico a 8 meses. Tudo teve inicio quando eu fui ao hospital com uma dor no peito, chegando lá com a demora comecei a ficar ansioso e minha pressao subiu para 20×16. Eu acho que foi isso, daí então fiquei com medo de ter outro ataque. Meu pior problema é o medo de morrer e essa fraqueza que tenho todos os dias de manhã. É normal ter essa fraqueza? Ou sensação de estar fraco, tipo as forças fogem da gente?

  • Marcela disse:

    Tenho TP há 8 anos. Minha 1º crise foi na praia (desde a minha 1º crise nunca mais consegui ir a praia).

    Fiquei 7 meses sem sair de casa, alias saia apenas para ir em medicos, e passando mal. Até que em um PS o medico me disse que talvez eu tivesse sindrome do panico. Fui no psiquiatra, tomei antidepressivo por 3 anos, amenizou minhas crises, mas não sumiram. Desenvolvi tecnicas para me distrair durante as crises e mesmo fazer com que elas passem rapido, como por exemplo: beber agua, sentar, mexer no celular, ligar pra alguem e falar SEM PARAR, etc. Sair sozinha? Fora de cogitação!

    Tenho consciencia de que é tudo psicologico que não morrerei devido minhas crises, mas saber é uma coisa, não ter crises é outra totalmente diferente.
    Sou tecnica de enfermagem e devido a sindrome do panico, não consigo exercer minha amada profissao.
    Essa semana voltarei ao psiquiatra, certeza ele me receitará antidepressivo e terapia e dessa vez seguirei todas as recomendaçoes. Porque eu quero melhorar e sei que irei melhorar.

  • Dri disse:

    Ainda não sei se o que tenho é síndrome do Pânico. Pelo que eu acabei de lêr e o que as pessoas me falam, tudo indica que sim… Mas graças a Deus os sintomas não são frenquentes. O meu maior medo é de ficar só e de dirigir sozinha a noite. Quando passa parece que vou consegui controlar da próxima vez, mas quando acontece é algo tão forte que não dá nem para raciocinar direito… Enfim espero sair dessa em breve. Sou concurseira, estou de casamento marcado, tenho muitos planos e não queria que isso me prejudicasse.

  • Cintia disse:

    Oi, ontem fui ao medico e descobri que estou com a sindrome do panico, passei por sensações horriveis, minha pressão subiu muito, meu coração disparou, perdi a fala, me deu falta de ar, achei que eu fosse morrer de infarto, me deu um pânico que eu nao sei explicar, é uma sensaçao péssima de desespero…. e o pior é que muita gente acha que eu estou fazendo cena… mas não sabem nada do que está se passando, eu tenho medo de ficar sozinha em casa, de ir ao banheiro, de andar sozinha na rua, tenho medo de dar uma crise novamente, mas… a vida é assim né… eu vou começar o tratamento e tenho a certeza que vou melhorar… pois com Deus nada é impossivel, e eu CREIO.

  • Alexandre disse:

    Tenho 37 anos e sofro da sindrome do pânico a 8 meses, hoje já estou bem melhor, porem o que já passei foi coisa que não dedico nem pra um inimigo quando eu tiver, pois eu não tenho inimigos, mas é uma das piores coisas, que já passei, pois mesmo você não tendo o ataque naquelas horas terriveis ela te deixa pelo dia todo algum tipo de sintomas, por exemplos algumas dorzinhas pelo nosso peito, ou até mesmo falta de ar não muito sufocante, mas deixa pelo dia todo, já fui 3 vezes no cardiologista só esse ano, em um clinico geral e por fim um psiquiatra, agora melhorei mas nao é facil sair disso não, a isolação que você sente é terrivel, faço caminhadas tenso, academia com medo e corrida ando tendo crises, mas estou deixando o meu relato aqui mais pra receber e dar uma força prás pessoas que tambem tem isso que é terrivel, e lembrando sempre que isso esta na cabeça e devemos controlar com personalidade e com cabeça erguida. Abraço a todos.

  • Fernanda disse:

    Tenho 33 anos e desde o dia 11 de junho começou umas placas vermelhas no meu corpo. Fui a dermatologista que me receitou uns antialérgicos (pq sou muito alérgica). Só que ao invés de melhorar a coisa só piorava. Começou umas placas muito grandes e por todo corpo. Fui a alergista, que me mandou tomar outros antialégicos, me cortou um monte de coisa, fiz exame de sangue que nada deu. Fui fazer acupuntura para ver se melhorava meu stress, porque além das manchas sentia um pavor prá dormir, achava que minha glote estava fechando, sentia um aperto no peito e achava que ia infartar. Foi ai que a minha médica me pediu para que eu fosse um neuro. Lá ele me disse que eu estava com síndrome do pânico. Aí comecei a me recordar das coisas, pois em 05 de junho a minha casa foi assaltada e logo depois comecei com essas coisas. O neuro me explicou que não era minha glote fechando e sim um ataque de panico, onde eu não conseguia nem respirar e nem engolir. Ele me receitou um anti depressivo e um Frontal de 0,5m. Com a ajuda de Deus estou me sentindo um pouco melhor.

  • Diva disse:

    Adorei o assunto, muito bem explicado. Já tomei antidepressivo, mas senti muita dor de cabeca. Fica dificil se livrar desse mal.

  • Andrea disse:

    Eu sofro do pânico há uns tres meses mais ou menos. Tenho medo de morrer nos ataques, e ele só acontece à noite quando deito para dormir. Tenho medo do sono não vir e ficar noite a dentro acordada. Ai o pânico começa só pelo fato de eu deitar e esperar o sono. Conclusão, ele não aparece e fico desesperada. Gostaria de saber como devo controlar esse medo de não poder dormir mais.

  • Eliette disse:

    Olá, tenho 30 anos. Estou suspeitando que estou com sindrome do panico pois tem uns 2 meses que venho sentindo um pouco de mal estar, tonteira, dores no peito, sensação de que vou ficar louca a qualquer momento, ou infartar. Já fui parar no pronto socorro, com pressão alta e estou iniciando tratamento com cardiologista.

  • Cinthia disse:

    Oi pra todos. As crises que eu sinto são horríveis. Sempre que tenho algum compromisso importante ou tenho um encontro amoroso, começa a me dar um montão de coisa. Sinto um calor que percorre o meu corpo inteiro, me dá calafrio, sinto minha boca, minhas mãos formigarem muito, meu estômago doi, me da um mau-estar terrível, uma vontade incontrolavél de vomitar e enquanto eu não vomito eu não melhoro de jeito nenhum. Faço de tudo, respiro fundo tento me distrair com alguma coisa mas é tudo em vão. Eu fico chateada que eu passo muita vergonha, porque eu não consigo controlar essas sensações nem na hora do encontro. Preciso de ajuda! Preciso trocar experiências com alguém que sinta o mesmo que eu. Por favor que tenho que fazer para não sentir isso e não passar mais vergonha perto dele. Me ajudem pelo amor de Deus! Quero viver a minha vida normalmente. Obrigada

  • Cissa disse:

    Descobri o transtorno do pânico em maio de 2009. Tive todas essas sensações e mts outras inexplicáveis.

    Na minha primeira crise senti minha mão esquerda fechando… era como se o meu corpo fosse, aos poucos, transformando um casulo ou, como se algo estivesse se apossando de mim. Depois senti muito formigamento nos braços e nas pernas. Cheguei a pensar q meu corpo fosse paralizar aos poucos… como se fosse uma doença degenerativa. Hoje faço tratamento à base de alprazolam (ansiedade) e citalopram (anti-depresivo). Me sinto bem melhor e sei que o jeito é enfrentar os medos, isso é fato!

    Eu tenho uma dúvida que gostaria de saber se vocês poderiam me ajudar: tenho uma sensação terrível na língua, parece que não vou conseguir engolir, falar… alguém tem essa sensação ou sabe o motivo desse acontecimento? Grata!

  • Welington disse:

    Sofro de pânico desde que meu tio morreu prematuramente, minhas crises são muitas fortes sinto dores pelo corpo formigamento pontadas no peito (horrível)! Quantas vezes fui ao médico, de vez em quanto minha pressão sobe, meus ataques são piores quando bebo, com a bebida você pensa que vai passar. Na hora passa mais e pior, o alcool piora tudo, fui a psiquiatra ele passou frontal 0,5g por um tempo tirei da minha cabeça mais quando o remédio acabou ele voltou. Está mais fraco, mais agora tá ficando pior de novo, vou marca um cardiologista pra ve se isso e coisa da minha cabeça ou… mais. Estou ai… eu vou consegui vencer… deus esta comigo.

    • Ana Paula disse:

      Wellington, Deus está com você sempre! Eu também tenho Síndrome do Pânico e também tomo Frontal. O meu médico receitou também uma hora de caminhada por dia para liberar a serotonina e tem dado certo. Uma certeza podemos ter, não morreremos nessas crises e nem estamos loucos. É simplesmente um distúrbio que envolve o psicológico e neurológico ao mesmo tempo. Eu tomo isso como algo positivo (quando não estou em crise), pois Deus está junto conosco. Já fiquei mais de dois anos sem a manifestação do Pânico, ocupei-me com Deus nas horas vagas e tudo têm dado certo. Siga as orientações do médico e tudo se estabilizará, tenha fé. Um abraço.

  • Eliane disse:

    Acho que tenho sindrome do panico. Às vezes vem algo na minha cabeça de que vou morrer, não sei se é medo ou sindrome do pânico, como posso descubri o que é?

    • Elaine Moreira disse:

      Descobri pesqiuzando na internet e em seguida indo ao psiquiatra ele me receitou (Rivotril 0,25mg). Não uso diariamente pois estou conseguindo me controlar, mas tenho que ter pois há dias que preciso. Para você ter a certeza procure um médico e em seguida auto-ajuda. Saiba que por mais terrivel que pareça, não mata e a crise dura alguns minutos mesmo que pareça uma eternidade. Outra coisa, antes de ir ao médico escreva tudo o que sente a cada crise que você tiver. Assim fica mais facil o medico lhe ajudar.

  • Renata disse:

    Por favor me orienta o que devo fazer, pois estou com uma falta de ar frequente, antes de dormir sinto muito falta de ar e chego a ter tonturas e desmaios e contração dos musculos das mão e pernas.

    No outro dia estava com muita dor no corpo e a falta de ar frequente, não consigo ficar em ambientes fechados, a falta de ar aumenta… já fui parar no hospital, e o médico disse que eu não tinha nada, eu teria que procurar um psiquiatra, deu a intender que estava mentindo ou estou louca.

    • Joao disse:

      Aconteceu isso comigo também. Vai em um neurologista que ele te pode ajudar melhor. Porque o primeiro médico que me atendeu no hospital me disse que eu nao tinha nada. Sendo que eu entrei sem mexer os braços e o rosto devido ao estado de pânico… Alguma coisa me adiciona.

  • Patrícia, 21 anos, RJ disse:

    Olá a todos! Bom eu sofro com a sindrome do panico vai fazer 1 ano… ela esta me atrapalhando muito e ainda não tive coragem de proucurar um médico… eu não durmo sozinha, e tenho um enorme medo de morrer, de ficar sozinha, de sair sozinha de onibus ou ir pra faculdade, pois tenho medo de que aconteça alguma coisa comigo. Tenho um enorme medo de morrer, de sofrer acidente, de enfartar, de ter um tumor sei lá, só qum passa por isso sabe como é.

    As crises são terrives, a minha primeira crise, estava jantando na rua com meu noivo e do nada eu vi as coisas embaçadas, tudo andando devagar, e meu coração desparou, fiquei apavorada com medo de morrer de enfartar sei lá, depois meu corpo todo começou a tremer e eu fui para o medico, quando cheguei lá tomei um calmante na veia… e o médico falou que era estresse e q ia passar… depois disso foi ficando pior… eu ja não concigo sair sozinha na rua q eu passo mal, e quando estou num lugar cheio eu fico apavorada com medo de ter uma nova crise.

    Na hora de dormir é pior, quando fecho os olhos, meu coração acelera e fico comedo de morrer, com medo que minha familia morra. Não aguento mais, não posso viajar porque acho que o avião vai cair… não fico sozinha com medo de tiro, de bandido, de fantasma… estou sofrendo, não sei mas o que fazer!

    • Fabiana disse:

      Oi Patricia, meu nome e Fabiana, sei bem como e isso, também não consigo dormir a noite com o meu coraçao acelerado, já fiz alguns exames e não deram nada também. Meu médico disse ser ansiedade e perguntou se eu queria tomar um remedio, mas prefiro orar. Tente isso também e procure um médico cardiologista só para desencargo de consciência, me mande noticias tá…

  • Julia disse:

    Gente, estou sofendo com a Síndrome do Pânico há pouco mais de 2 meses. No meu caso, o fator principal é a vida que levava antes de casar. Depois que sacei, vim morar em outro estado, onde só sou eu e meu esposo. A vida que levava era uma vida ativa, a casa dos meues pais era recheada de pessoas, e hoje me encontro aqui sozinha, meu esposo passa o dia trabalhando.. Não faço nada, nçao tenho amigos. Levo uma vida muito calma, bem diferente da de solteira. Não posso reclamar da vida que levo, mas sim do estado em qu estou. Sei que isso é decorrente da vida que levava e que agora não vivo mais. Pois bem, minha primeira crise aconteceu há pouco mais de um mês, quando soube que um grande amigo de onde eu morava morreu num trágico acidente de moto. Eu fiquei tão abalada, que acabei desencadeando uam crise. Na hora de dormir, me faltou o ar, aí pensei que fosse morrer. Minhas pernas começaram a tremer mesmo, e sem parar, ondas de calor e calafrio inundaram todo o meu corpo… Achei que fosse morrer. O engraçado de tudo é que não tenho nenhum problema. Essa é uma doença que mexe com o nosso raciocínio, não pensamos com clareza… Passei a noite em claro, me precavendo de morrerr enquanto dormisse. Minha primeira reação foi eu me levantar da cama, abri logo a janela do nosso apartamento. Queria buscar ajuda em algum lugar. Nçao racocinava. Achava mesmo que ia morrer. Desde então tenho sofrido muito, chorado, achando que vou morrer… Mal saio de casa, com medo de algo me aconteça… Quando precisamos sair, já começo a ficar apreesiva, nervosa, e já pensando no que vou fazer se a crise vier de novo. Ao dormir, já penso que vai ser difícil… Está sendo muito difícil. Me privo de tudo… Mas estou achando auxílio em Deus. De maneira nenhuma vou permitir que isso tire a minha alegria de viver. Isso é o que Satanás quer, tirar o nosso sorriso, a nossa alegria, minar nossos sonhos e projetos. Pois bem, aí no outro dia, quando vi que não ia morrer, fui pra net, ver o que se tratava. Descobri, através dos relatos, que estava desenvolvendo TP. Como agora sei o que é, consigo controlar minha situação. Desde a primeira crise, só tive uma outra, mas mais fraca, pois já sabia do que se tratava, me controlava e aí ela ia passando… Façam isso. Se acalmem. Busquem ajuda em Deus, Ele é nosso amigo e nunca nos desampara. Nas semanas que se sucederam a primeira crise, eu passava o dia com palpitações, falta de ar, dormência. A minha situação estava se agravando, mas graças a Deus que existem pessoas para nos ajudar, como as que têm os sites de ajuda e a nossa família, amigos, esposo… Creiam que tudo vai passar. Tomem uma postura de fé e vençam isso, pois é sim possível. Deus tem me mostrado cada dia que vou vencer essa. E vou viver os sonhos que Ele sonhou pra mim. Creiam assim. Se ainda nao têm Jesus, peçam que entre nos seus corações, faça morada… ele vai mudá-los a cada dia!

  • Jurema, RJ disse:

    Acabei de ler todos os depoimentos. Essa sindrome tem sintomas diversos que variam de pessoa a pessoa. A primeira vez que senti todos os sintomas assim foi há 30 anos atrás. Coração disparado, falta de ar, sentia minha garganta fechando, adormecimento no rosto, fui perdendo o apetite e emagreci muito. Felizmente me tratei com homeopatia, não fiquei dependente de remedios alopaticos. Passei muito tempo sem ter nada disso, porém, cada vez que estou passando por situações de estresse, perdas, desafios profissionais, eu volto a ter essas crises. Hoje passei muito mal, estava viajando de aviao de Rio Preto para S Paulo, fui me sentindo gelada, vista turva, tremedeira, enjoo, estava sozinha, foi um terror! Nessas horas não adianta eu fazer nada! Meditar, rezar, respirar… eu ando, ligo a TV, procuro ar puro, me aperto, me esfrego, jogo água no rosto, tudo indica que vou desmaiar ou pior que isso, morrer! Vou continuar recorrendo a medicina alternativa, homeopatia, body talk, meditação… Saúde e boa sorte para todos nós!

  • J. Carlos disse:

    Minha cara Patrícia, 21 anos, RJ. Eu há 10 anos passados iniciei com a descoberta de pressão alta. Posteriormente foi sempre um inferno em minha vida, pois tinha todos os sintomas relatados pelas pessoas nesta paginas. Ainda hoje sai a rua e da batedeira, aperto no peito visão turva, vista tende a escurecer, enfim penso logo que vou morrer. Há 1,5 ano atras tive arritimia muito forte e tive que fazer um procedimento chamado ablação no HCOR em São Paulo. Venho fazendo exames sistemáticos que acusão que estou otimo fisicamente, mas continuo com sintomas estranhos de panico. Então se você já foi ao medico e fisicamente está bem tente se ajudar falando com você mesma nas horas dificeis. Entrar neste site faz muito bem pois vemos que existem muitas pessoas assim, isto é realmente uma doença curável do mundo moderno. Comece a acreditar que não passa de uma armação de nossa cabeça , tente demonar, tome conta de você , assuma o comando. Tudo isto é o que eu estou tentando fazer também para superar. OBS: tomo remedios como ocadil 1mg indicado pelo meu médico na hora de dormir e tem me ajudado muito e não vicia fique tranquila. Te desejo toda saúde do mundo.

  • Paula disse:

    Para todos… gente, também tenho sindrome do pânico, mas sei que não vou morrer. Ninguém morre de medo, você pode ter absoluta certeza disso. Nós temos a tendência de exagerar, de sempre pensar no pior, de achar que vamos morrer e tal. Tudo isso é devido ao estresse de vivermos nessa correria da vida. Precisamos aprender a respeitar os limites do nosso corpo. Eu ainda não aprendi a fazer isso. Porque estudo muito na faculdade e me preocupo muito com todo o mundo da minha família, além do necessário e quando passo dos limites sem perceber, entro em pânico. Sou contra tomar remédios, não quero. Em 5 anos que tenho isso, tive 3 crises fortes e percebi que estou aprendendo a aceitar isso. Mas eu quero que isso acabe. Todos nós, obviamente não queremos passar por isso nunca mais. Eu entendo que o pânico é consequência de uma sequência de comportamento negativo. Ter pensamentos negativos leva ao pânico, então não pense no pior, acredite em Deus, que ele está vendo o sofrimento terrível que passamos e quando chegar a hora, Ele irá acabar com as doenças de todas as pessoas que acreditam nele. Tenha fé, isso acalma e me ajuda bastante. Escrevi esse texto tendo uma crise. Não conseguia dormir, porque estou tremendo de ansiedade já tem umas 4 horas, meu corpo ainda não conseguiu relaxar. Mas foi muito bom escrever isso. Colocar para fora é a melhor coisa, se você não tiver com quem conversar, escreva mensagens assim, ou num papel, isso alivia a tensão. E saiba você não é o único que passa por isso. Força pra nós!!!!

  • Sandra disse:

    Ainda não tive diagnostico de transtorno do pânico, porém tenho todos estes sintomas, fiz todos exames cardiológicos, até cateterismo, pois a sensação de morte é inexplicavel e assustadora. Vivo com medo de ter novas crises.

  • Solange disse:

    Sofro da sindrome de panico há 9 anos, já senti todos os esses sintomas e tiram a minha, essa sensaçâo de morrer e a pior de todas. Hoje tenho menos crises que antes, depois que passei ir na ccag tenho certeza que ficarem curada por completo em nome de Jesus.

  • Laura disse:

    Também tive esses sintomas, e, realmente, só quem tem que sabe como é ruim. Quando tenho crise, sinto tontura, um calafrio horrível inexplicável pelo corpo e tremo de tão desesperada que fico! Já fui ao psiquiatra tratar e tive uma ótima melhora. Também estou indo na psicóloga toda a semana, o que me ajuda muito também. Só que durante umas quatro semanas, minha psicóloga não pode me dar consultas, então, não sei se foi por isso, tive algumas crises novamente.
    Mas espero que quando eu voltar na psicóloga, eu melhore.

  • Jose Rui disse:

    Meu nome é José Rui. Moro em Brasilia e há mais ou menos 1 ano venho sofrendo da sindrome do panico. Hoje tomo sertralina na dosagem de 50 mg diária para controlar um pouco mais os efeitos destes ataques que são horríveis. Por muitas vezes acordava de madrugada e ia para o hospital achando que estava morrendo e na verdade quando examinado não tinha nada. Hoje ainda estou sofrendo com esses efeitos mais devidos alguns recursos que tenho usado o uso de medicamento e ajuda de um psicologo tem diminuido. Eu confio plenamente nos relatos pois é bem verdade sobre o aperto no peito, falta de ar e o nó na garganta. É tudo isso que sinto e mais as vezes a língua fica doce a ponta adormeçe a garganta coça, os lábios fervilham, os olhos tremem, a cabeça fica com uma pressão incomoda, confusão, a língua enrola e dá preguiça de falar, os braços fervem uma leve dormência também sinto, nos dedos também. Gostaria de saber mais e de receber mais informações sobre tudo isso, pois ja não aguento mais está sofrendo. Me mande dicas para vencer este mal. Já estive no cardilogista, neurologista, clinico geral, urologista e tá tudo bem. Todos os exames normais.

  • Daniele disse:

    Tambem sinto muitas coisas relacionadas a sindrome do panico, ainda não procurei um psicologo ou psiquiatra mas analisando os sintomas só pode ser isso. Eu associo as crises com meu antigo serviço pois passei um longo periodo de um ano sofrendo pressões, ansiedade, angústias e daí eu tive uma crise forte e pensei que estava morrendo. Ainda não cheguei ao ponto de não sair de casa mas às vezes me sinto muito mal e à noite no momento de dormir piora um pouco, mas começo a rezar e isso me acalma MUITO. É impressionante! Ultimamente o sintoma que estou tendo são faltas de ar, parece que a qualquer momento não vou conseguir mais respirar é simplesmente horrivel! Passei por uma bateria de exames em cardiologista e graças a Deus estava tudo normal, passei no otorrino e ele me disse que tenho adenoide (carne esponjosa) mas acredito que este não é o motivo das faltas de ar que sinto pois meu nariz não fica entupido. Associo as faltas de ar ao pânico mesmo. Quanto tempo pode durar uma crise dessas? O principal motivo que associo a isso é meu antigo emprego e já faz mais de 1 mês que me desliguei da empresa e ainda sinto coisas estranhas. Minha crise começou em Março deste ano mas no começo era muito pior, melhorei bastante tomando Passalix e muito chá de camomila.

  • Liciene Ribeiro disse:

    Oi. Sofro muito com essa doença. Gostaria de ajuda, ela acaba com a pessoa esgotada e deixa a gente muito agitada e com medo de tudo e de todos.

  • Tatiane disse:

    Ol´pessoal, eu sinto esses síntomas há mais ou menos 5 anos quando perdei um amigo precocemente. Fiz vários exames e nada constou, tinha crises esporádicas, porém, o medo de perder um ente querido ou achar que algo ruim estava prestes a acontecer sempre me acompanharam, porém há dois meses fiquei internada devido há uma alteração sanguínea, depois disso os síntomas da síndrome do pânicopioraram e são frequentes, principalmente a vertigem e a falta de ar, e não é de vez em quando, é quase que o tempo todo, eu respiro e parece que o oxigênio e menor do que meu corpo precisa, porém quando me esqueço dos sintomas eles desaparecem mas logo voltam quando me lembro novamente, é terrivel. Eu não sei oque fazer, ainda não contei pra nimguém o que estou sentido mas gostaria de conversar com um psicólogo ou um psiquiatra sobre este assunto pois todos os depoimentos relatam crises e não situações constantes de medo e falta de ar, só quando eu durmo é que fico livre desses síntomas ou quando me distraio com algum filme ou assunto. Por favor me ajudem!

  • Marcia disse:

    Há 5 meses perdi meu pai, e depois de um mes comecei a me sentir estranha, não saia mais, não queria ver ninguém até começar a sentir tonturas. Visão turva, dor no peito, respiração dificil. Dei várias entradas em ponto socorro. Até uma médica me orientar a procurar um psicologo. Na última crise liguei para o meu marido para me ajudar, ele disse tenho que dormir pois tenho que trabalhar (ele trabalha à noite). Sentindo-me só cheguei em casa a começei a chorar, pois não queria ir para síndrome do pânico ser depoda, depois sentir tudo de novo. Então resolvi procurar o psicólogo, no desespero, achei um que podia me atender no mesmo dia. Já cheguei chorando, pois tinha a sensação de não ter chorado o suficiente na morte do meu pai. Depois de uma avaliação ele resolveu que o meu caso seria de analise, depois de tres sessões e nada de progresso, e me sentindo pior, ele achou melhor entrar com medicaçao e uma consulta com a pisquiatra,tomo remedio todos os dias, os sintomas estao melhorando mais ainda tenho crises,que estao deminuindo. A medica me disse que o tratameto e de 6 meses para que eu fique curada de vez. Tenho muita vontade ser como entes, alegre feliz, com saude tenho certeza que todos, nos que estamos passando por isso vamos superar.

  • Odeth disse:

    Oi Marcia, li o seu depoimento e coincidentemente me ví na sua história, meu pai faleceu à 10 meses atras, achei que tinha superado, tem dia que me sinto melhor, outros um grão de areia perdido no espaço. Fui ao médico e ela me disse que a perda do meu pai desencadiou essa depressão, mas que é caso de terapia associada com medicamento. Sinto os mesmos sintomas que voce, tenho um filho de 10 anos e um marido que tenta me ajudar, mas eu sei que ele nao entende o que está acontecendo comigo (nem eu mesma sei).

    Minha medica disse que é um tratamento de mais ou menos 6 meses mesmo. Vamos ter muita fé em Deus que vamos conseguir passar por essa. Foi bom ler o seu depoimento por que sei que nao estamos sozinhas no mundo!!

    Se cuida, muita saude para voce! Um beijo.

  • Edivana disse:

    Tenho 39 anos e sofro com sindrome do panico a 12. A última crise foi antes de ontem. Como já conheço bem os sintomas, tento manter a calma, fazer exercícios de respiração, até a crise passar. Mas desta vez foi muito intenso. Fiquei umas 4 horas suando e com frio, coração disparado, maxilar travado e pressão alta. Só melhorei despois que os medicamentos fizeram efeito. 2 mg Rivotril 6 mg Bromazepan e 50 mg Sertralina. Mesmo assim demorou bastante, umas duas horas a mais. Não dormi com todo esse medicamento. Mas acalmei. É estranho porque sempre ouço dizer que as crises duram minutos, mas no momento, minhas crises duram horas. Semana passada tive infecção intestinal e tive de ser internada, mas o fato de colocar o soro já foi o gatilho que disparou a crise, eu fiquei suando e muito agitada por horas. Internei as 15:00 hrs e a médica me deu alta as 21:00 hrs pque eu ainda esta com a crise. Meu cabelo estava molhadinho. E os pés gelados. Frio e calor ao mesmo tempo. A Dra. chegou a conclusão que o tratamento em casa seria mais eficaz. Será que existem mais pessoas assim?

    • Karla disse:

      Sim, Edivana, eu! Fiquei a soro no inicio do ano, a madrugada e manhã inteira. Com crise de pânico, eu ainda não tratava. Minha pressão oscilou, batimentos mega acelerados. Dai em diante comecei a me tratar.

  • Jaqueline disse:

    Hoje tive uma crise no trabalho e não consegui me controlar, senti varios sintomas e fiquei palida, tremia muito, minha boca ficou muito seca, taquicardia e uma leve alteração na pressão. Meu colegas me olhavam com uma cara de assustados, cada um que eu olhava eu me assustava mais. Faço uso de rivotril sublingual, tomei o medicamento e liguei para virem me buscar, qndo chegaram eu jha estava bem melhor… Dormi a tarde inteira. Tenho muito medo de morrer, muito mesmo. Mesmo que sei q é sintoma da doença, vou fazer alguns exames segunda, principalmente do coração. É dificil conviver com esse medo mas somos guerreiros e vamos conseguir.

    • Karla disse:

      Jaque, sei como eh isso. Quem sofre de SP, geralmente acha que tem problema cardíaco. Toda a gente acha que o coração vai parar, ou vai acelerar demais, enfim. Sei disso, porque também sinto. Não há outra saída nas nossas vidas, senão Jesus. Ele nos conforta, nos ajuda, nos socorre… enfim. Você se trata?

  • Diogo disse:

    Alguém mais sente palpitações? De todas as sensações isso é o que ainda mais me assusta. Mesmo após ter ido ao cardiologista e ter constatado estar tudo ok.

    • Karla disse:

      Diogo, é normal pra quem sofre com a SP. Já fui a vários cardiologistas também, e eles me falam sempre a mesma coisa: você não tem nada! Seu problema é psíquico.

  • Lislaine disse:

    Já faz alguns meses que tive a minha primeira crise, quando eu deito pra dormir parece que estou ficando sem saliva e isso me dá uma sensação de falta de ar, entro em desespero porque acho que vou morrer. No início essa sensação durava no máximo 1 hora, mas agora chega a durar até 3 horas. É horrível, já fiquei noites sem dormir. Eu pensava que era normal, um medo comum, depois eu comecei a acreditar que eu estava com uma doença muito grave. Pesquisei os meus sintomas na internet e agora eu tenho quase certeza de que eu sofro de sindrome do panico. Espero me curar disso.

  • Michelle disse:

    Começei ter esses sintomas, na primeira vez tive mas foi consciente pois eu havia ingerido 1/2 extasy, claro fui medicada e fiquei com muito medo e prometi nao usar mais, isso porque eu desconhecia esse lado ruim. Passado uma semana tive a mesma sensação, que era as pupilas dilatadas, coraçao acelerado, formigamento nos membros do lado esquerdo, medo, pouca falta de ar, vontade urinar e defecar, me concentrei e parou, mais uns 15 dias depois as mesma coisa, sentia a pele queimar, parecia febre, respiraçao irregular, medo de morrer, medo de perder parentes, medo de dormir, formigamento, coraçao acelerado, vontade de fazer necessidades fisiologicas, calafrios, medo de lugar fechado, eu queria so o silencio… foi horrivel, claro que tenho em mente que tomei uma substancia que ativa tudo isso, mas será que me causou a sindrome?

  • Amanda disse:

    Ando tendo crises de falta de ar e isso acontece pincipalmente no serviço ou quando penso no serviço, onde eu trabalho existe muita cobrança e quando não consigo bater minha meta diaria. A supervisora fica falando alto dando elogio para os que fazem e dimnuindo pra todos ouvirem os que não conseguem. Com isso ando tendo falta de ar, sensação de sufocamento, choro e tremo sem motivo, mas tenho medo de pedir demissão, piorar e não ter como me sustentar. Minha supervisora me disse que já tenho 32 anos e vai ser dificil arrumar outro emprego e isso me deixou mais nervosa. O que eu faço preciso de ajuda.

    • Karla disse:

      Amanda, ela está te colocando para baixo e isso, você não pode deixar NINGUÉM fazer isso. Você consegue outro emprego sim, é só mandar currículo… E primeiro você tem que cuidar da sua saúde. Já foi ao psiquiatra? Toma remédios?

  • Sâmara disse:

    Olá. Acredito que estou com síndrome do pânico, pois, os sintomas que sinto é bem parecido com o que foi relatado nesta matéria.
    “Do nada” começo a ficar nervosa, principalmente quando estou indo para a faculdade que é longe da minha casa e vou sempre só.
    Meu coração acelera demais, minha PA fica em torno de 17×9. Só em saber que minha pressao subiu, fico mais nervosa ainda. Uma agonia, uma sensação inexplicável. Sinto um calor, uma agonia.
    Assumo que tenho medo de passar mal na faculdade, logo depois passo mal.
    Vou procurar um médico para saber se é realmente a síndrome ou se tenho problemas cardíacos.

  • Ronaldo disse:

    Eu quando estou nervoso fico vermelho e com medo de ter um ataque do coração ai é pior porque meu braço esquerdo começa a pinicar e sinto alguma “fincadas” no peito. Ae o desespero aumenta e só piora.
    Fui a uma igreja e contei o que sentia , uma querida orava por mim toda vez que sentia esse medo extremo e sempre que ela orava na hora eu melhorava.
    Eu hoje sou curado e creio que minha Fé em Cristo me curou, fico a disposição para qualquer um que precisar de oração.

    • Jessica Tavares disse:

      Eu preciso de oração! Tomo esse remédio à 4 dias e estou muito mau! Se puderes orar por mim te agradeço desde já! Tenho de acreditar em meu Deus que vou me curar!!

  • Ademir disse:

    Tenho SP a 8 anos e isso me imcomoda muito, sinto aquele frio na barriga e depois as sensações mais horriveis que se pode passar.
    Falta de ar, coração disparado, vontade de correr, etc.
    Sinto muito isso quando estou viajando e passo por algum lugar que acho que não ter socorro, ou seja, parece que não estou seguro em determinado lugar e quando chego em uma cidade grande, aí sim melhoro aos poucos. Obs.: sou motorista.
    Será que alguem também sente isto, pois não vi ninguém falar de frio na barriga e de assustar em lugares desertos.


Deixar um comentário